Turismo em João Pessoa

Hora do Planeta

by Marketing / 29/03/2017 / ,

A Hora do Planeta é o maior evento global em prol da sustentabilidade e contra o aquecimento global. Criada pela rede WWF em 2007, ocorreu, primeiramente, na Austrália. Espalhou-se por todo o mundo e, hoje, diversas cidades, pontos turísticos, pessoas físicas e empresas aderem anualmente à causa!

Por 1 hora, incentiva-se o desligamento de qualquer aparelho que utilize energia elétrica. É um ato simbólico, um momento para refletirmos sobre nosso impacto no planeta e pensar em medidas para redução de danos ao meio ambiente. Uma hora pode parecer pouco, mas o que importa é seu simbolismo; que possamos perceber quão valiosos e finitos são nossos recursos naturais e repensar nossas práticas diárias!

O Hardman participa!

Pelo segundo ano consecutivo, realizamos um evento para marcar esta data tão importante. Apagamos todas as luzes das áreas comuns do hotel e realizamos algumas ações:

Distribuímos lanternas aos nossos hóspedes

Design sem nome (3)

Produzimos camisetas personalizadas

Design sem nome (2)                                        

Oferecemos um coquetel com opções vegetarianas, com alimentos aproveitados

em sua totalidade, utilizando suas cascas e sementes 

Design sem nome (1)

Contamos com música ao vivo sem nenhum instrumento elétrico

WhatsApp Image 2017-03-27 at 07.30.36 (2)

Toda a iluminação foi feita por velas e tochas

WhatsApp Image 2017-03-25 at 21.26.43 (2)

WhatsApp Image 2017-03-25 at 21.26.42

 

A preservação do meio ambiente é uma de nossas principais preocupações. Estamos sempre dispostos a fazer mudanças que beneficiem o mundo! Que venha a Hora do Planeta 2018!

 

Julia Guedon – Ass. Marketing

Leia mais

Da série – ‘Práticas conscientes’: Por que devo plantar uma árvore?

by Marketing / 14/09/2016 / , ,

A primeira vista, a sensação de ler este nosso tema de hoje do blog pode parecer clichê e causar aquela sensação de ‘Ah, já sei isso de cor’, ou então, ‘Aprendi isso na escola, para quê ler de novo?’ Mas se parássemos para refletir, o mundo não estaria tão climaticamente desordenado quanto está se todos tivessem a consciência de que fazendo a sua parte, outras pessoas poderiam se sentir motivadas a praticar o mesmo.

Para se ter uma pequena noção do grande estrago,  a temperatura do planeta está a aquecer e
m um ritmo superior ao dos últimos mil anos. Mas qual seria a relação real disso com as árvores? Se levarmos em conta que elas são responsáveis por manter mais de 50% da biodiversidade no mundo e que produzem o oxigênio necessário para a nossa respiração e a água, responsável por cerca de 70% do nosso corpo, tudo.

Por isso, nesta semana em que comemora- se o dia da árvore no Brasil (lê-se dia 21/09), deixamos aqui o nosso lembrete para a importância da plantação e preservação dessa fonte de vida.

 

#BIOHARDMAN

A preservação do meio ambiente faz parte da identidade do Hardman. Todos os anos dedicamos uma parte de
nosso orçamento para reflorestamento. No dia da árvore, celebramos esta prática levando uma escola parceira
para que seus alunos aprendam a importância do reflorestamento e conservação do Meio Ambiente. Após
os ensinamentos, cada aluno planta uma árvore que gerará oxigênio para duas pessoas.

Veja algumas ações que fizemos nos últimos anos para o Dia da árvore:

img_1117

img_1035

Conheça mais sobre nossas ações sustentáveis:

http://bit.ly/2cJ3xiS

 

 

 

 

Leia mais

Projeto ‘telhado verde’ é aprovado e João Pessoa ficará ainda mais verde

by Marketing / 30/05/2016 / ,

Imagem /divulgação

Projeto poderá contribuir para deixar a Capital ainda mais bonita com a proposta do ‘Telhado Verde’, que obriga as novas edificações a incluírem vegetação em seus telhados.

A proposta de autoria do vereador Raoni Mendes (DEM), foi aprovada Comissão de Constituição, Justiça, Redação e Legislação Participativa (CCJ) da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP)

Imagem /divulgação

O objetivo é reduzir as ilhas de calor e a aumentar a biodiversidade local. O sistema também deve auxiliar na drenagem da cidade, pois as ferramentas de retardo de água liberam o recurso gradativamente nas galerias, evitando a sobrecarga. A ideia segue uma tendência mundial aplicada em grandes cidades e  ainda contribui para o conforto interno da residência, reduzindo a poluição sonora gerada pelo ruído de carros e outros veículos.

A instalação pode resultar em empregos relacionados à produção, design, manutenção e construção dos equipamentos. Há uma redução de metros cúbicos de águas pluviais a cada ano, além da economia de energia para os proprietários dos edifícios. “Apesar da lei não ser tão abrangente, os resultados são incentivadores. A aplicação da proposta pode ajudar bastante para que nossa cidade volte a ser uma das cidades mais verdes do mundo”,  disse Raoni Mendes.

10 vantagens dos telhados verdes :

1- Diminui a poluição e melhora a qualidade do ar das cidades. A vegetação absorve as substâncias tóxicas e a libera oxigênio na atmosfera.

2- Ajuda a combater o efeito de Ilhas de Calor nas grandes cidades.

3- Melhora o isolamento térmico da edificação. Protege contra as altas temperatura no verão e ajuda a manter a temperatura interna no inverno.

4- Melhora o isolamento acústico da edificação. A vegetação absorve e isola ruídos.

5- Maior retenção da água das chuvas. A vegetação auxilia na drenagem da água da chuva, reduzindo assim a necessidade de escoamento de água e de sistemas de esgoto e ainda filtra a poluição dessas águas.

6- Diminui a possibilidade de enchentes. Como retem melhor a água da chuva, o excesso não vai para as ruas.

7- Ajuda na diminuição da temperatura do micro e macro ambientes externo.

8- Reduz o consumo de energia, e melhora a eficiência energética devido à redução da temperatura no ambiente interno, diminuindo a necessidade de refrigeração.

9- Aumento da biodiversidade, atraindo pássaros, borboletas entre outros.

10- Embeleza a edificação e a cidade. Vantagens e desvantagens de um telhado verde.

 

Via: O Concierge

Via: sustentarqui

 

Leia mais
Conheça João Pessoa

Conheça João Pessoa

by root / 16/05/2016 / , , , ,

João Pessoa, a simpática capital da Paraíba, apresenta uma feliz combinação de praias bacanas, atrações históricas e boas compras — com preços mais baixos do que outras capitais litorâneas. Durante a noite, o enorme calçadão entre as praias de Cabo Branco, Tambaú e Manaíra ferve de gente praticando esportes, passeando ou bebericando em uma das barracas com música ao vivo. Os pontos mais preservados da orla ficam afastados do Centro, ao norte e ao sul — vale a pena pegar o carro ou fazer um passeio para conhecê-los. Pérola do barroco brasileiro, o Centro Cultural São Francisco encanta quem gosta de arte sacra. Para prazeres menos espirituais, a deliciosa culinária local está fartamente representada no estrelado Mangai, que tem uma centena de receitas regionais em seu bufê de comida típica.

COMO CHEGAR

O Aeroporto Internacional Castro Pinto, que fica no município de Bayeux (a 14 km do Centro de João Pessoa e a 25 km da orla), recebe voos das principais capitais brasileiras. Até a Praia do Tambaú, a corrida de táxi custa por volta de R$ 85. Para quem vai sozinho, a melhor opção é o traslado oferecido pelo Luck Receptivo (83/3219-8815, R$ 38 por pessoa); a Cliotur (83/3247-4460) tem bons produtos para grupos com mais de quatro pessoas. A rodoviária de João Pessoa fica próxima ao Centro e logo em frente há um terminal de integração, com ônibus para toda a cidade. As linhas 510 e 513 da empresa Transnacional fazem o trajeto a pouco mais de R$ 2 — o percurso de táxi até a orla sai em média por R$ 25. Para quem viaja de carro e vem do sul, a BR-101 é o caminho natural — há trechos cansativos, mas na Paraíba a rodovia já está inteiramente duplicada.

COMO CIRCULAR

É muito fácil se deslocar na cidade. As principais atrações — a Orla e o Centro Histórico — são ligadas pela Avenida Epitácio Pessoa. Para as praias mais distantes, como Tambaba e Coqueirinho, ao sul, pegue a PB-008 — asfaltada até Tambaba. Ao norte, a BR-230 vai até o município de Cabedelo. Para as praias mais ao norte do estado, como a Barra de Mamanguape, é preciso seguir pela BR-101.

ONDE FICAR

Os principais hotéis se concentram na orla urbana de Cabo Branco, Tambaú e Manaíra — nestas praias também fica a maioria das atrações. As tarifas da cidade estão abaixo da média praticada no litoral nordestino — aqui você consegue reservar hospedagens confortáveis e de boa localização por menos de R$ 250 o casal.

ONDE COMER

É quase impossível pedir uma indicação na cidade e não ouvir “Mangai” como resposta. Famosa pelo bufê extenso, o único estabelecimento estrelado pelo GUIA QUATRO RODAS BRASIL na cidade, fica em Manaíra. O bairro concentra outras boas opções, como o Nau, de pescados, e o francês Degustar.

Comida típica

Cozinha sertaneja – O sertanejo é, antes de tudo, um apreciador de comida forte. Por lá, é regra acordar cedo e trabalhar muito. Assim, a culinária só poderia ser vigorosa e calórica. O cardápio inclui carne de sol, feijão-verde, galinha caipira, arroz de leite, feijão-de-corda, buchada de bode, baião de dois, paçoca (carne de sol assada e desfiada, socada no pilão com farinha), sarapatel (refogado de miúdos de porco ou de bode) e rubacão feijão, arroz, charque, queijo e legumes). Para a sobremesa, uma caprichada alquimia de doces, como a pamonha, a tapioca, o queijo coalho assado com mel de engenho (caldo de cana cozido) e a coalhada com rapadura e alfenin (massa clara feita com mel de engenho).

QUANDO IR

A temperatura média na cidade é alta o ano todo, mas, entre março e agosto, época das chuvas, as médias caem um pouco. De março a novembro, os hotéis têm bom custo-benefício. Vale a pena acordar cedo — aqui, o sol nasce antes das 5 horas.

SUGESTÃO DE ROTEIROS

1 dia – com apenas um dia em João Pessoa, concentre seu tempo na simpática orla. Aproveite o sol em Bessa, considerada pelos moradores a mais bela praia da área urbana, e à tarde visite o Mercado de Artesanato Paraibano (MAP), onde predominam as peças em algodão colorido. À noite, caminhe ou beberique em algum dos quiosques com música ao vivo espalhados pelo calçadão de Tambaú e Cabo Branco.

3 dias – Não deixe de fazer o programa mais clássico da cidade: o pôr do sol na Praia do Jacaré ao som de Bolero, de Ravel, saindo do sax de José Jurandir Félix, o Jurandy do Sax. Todo santo dia ele se despede do sol em sua canoa sobre o Rio Paraíba. Vale a pena dedicar um dia para conhecer o Centro Histórico da cidade, onde fica o Centro Cultural São Francisco, considerado um dos mais belos exemplos do barroco brasileiro. Inaugurada em 2008, com as inconfundíveis curvas de Oscar Niemeyer, a Estação Cabo Branco merece uma visita — o mais novo cartão-postal da cidade tem também exposições permanentes e permanentes.

5 dias – É tempo de sobra para pegar a estrada em direção a Conde e conhecer o bonito e pouco explorado litoral sul da Paraíba, com destaque para Coqueirinho e Tambaba (primeira praia de nudismo do Nordeste). Se quiser ainda mais sossego, dê um pulo em Barra do Mamanguape (sede do projeto peixe-boi marinho). Ali, o mar encontra o rio Mamaguape, num dos pontos mais belos da costa.

Leia mais

Hardman Praia Hotel recebe Certificado por Participação na Hora do Planeta 2016

by Marketing / 16/05/2016 / ,

O Hardman Praia Hotel recebeu o Certificado pela sua adesão a Hora do Planeta 2016, Movimento Simbólico Global criado pela rede WWF em 2007 em Sidney e que chegou ao Brasil em 2009, onde pessoas e empresas são convidadas a apagarem as suas luzes por uma hora. No dia 19 de Março, 156 cidades apagaram as luzes de 505 monumentos, ato que contou com extensa participação social e cobertura em todas as mídias. A rede WWF estima que 1 bilhão de pessoas se engajaram e participaram desse movimento.

O Hardman Praia Hotel recebeu o Certificado pela sua adesão a Hora do Planeta 2016, Movimento Global criado pela rede WWF em 2007 em Sidney e que chegou ao Brasil em 2009. No dia 19 de Março, 156 cidades apagaram as luzes de 505 monumentos, ato que contou com extensa participação social e cobertura em todas as mídias. A rede WWF estima que 1 bilhão de pessoas se engajaram e participaram desse movimento.

Leia mais
1